Relacionamentos saudáveis e boa saúde mental sugerem felicidade

A procura pela felicidade segue sendo um dos maiores e mais complexos desafios do mundo moderno. Estar bem consigo mesmo em meio aos inúmeros compromissos e deveres do dia a dia não é tarefa fácil e, em algumas situações, demanda muita calma, serenidade e tranquilidade por parte dos envolvidos.

Frequentemente, diversos estudos e pesquisas são divulgados nesta área e, em comum, têm as chamadas receitas para se alcançar felicidade e paz de espírito. O mais recente deles, proposto em conjunto pela London School of Economics (LSE) e pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), constatou que duas questões são tratadas como chaves para se ter êxito nesta empreitada: estimular a saúde mental e cultivar bons relacionamentos.

O estudo, realizado na Inglaterra, ainda mostra que estabelecer esses dois conceitos é mais eficaz até do que ter a renda duplicada, em se tratando de felicidade. As conclusões são baseadas nas respostas de mais de 20 mil pessoas mapeadas ao longo da pesquisa, dentro da tentativa de detectar os fatores que mais e o os que menos contribuem para se chegar à felicidade.

Ao passo que as questões psicológicas, como ansiedade, angústia e depressão, são os fatores que mais impactam negativamente o bem estar de uma pessoa, os laços inerentes a um relacionamento e a boa saúde mental são os que mais contribuem positivamente na busca por este ideal.

De acordo com os especialistas, autores do projeto, as pessoas atualmente precisam se se sentir necessárias, além de fomentarem relacionamentos significativos. O conjunto dos costumes e hábitos fundamentais de uma sociedade costuma impactar diretamente no conceito de felicidade de uma parcela considerável dela, uma vez que, por exemplo, comunidades em que o laço de confiança é mais estreito, a felicidade costuma ser um denominador comum.

Números e o papel do Estado

O estudo, também baseado em outras pesquisas já realizadas em âmbito internacional, também trouxe números práticos que fazem entender melhor o reflexo de cada fator no bem estar social e pessoal.

Dentro de uma escala de 1 a 10, por exemplo, a existência de um relacionamento saudável soma 0,6 pontos no contexto da felicidade, enquanto que ter a renda duplicada soma apenas 0,2 pontos. Dentro deste último conceito, aliás, a pesquisa também evidencia que perder um parceiro, por morte, separação ou outro fator, exerce um impacto muito negativo nesse sistema de pontuação.

Richard Layard, um dos autores do projeto, é taxativo ao dizer que o Estado tem bastante participação na chamada infelicidade geral de boa parte da população. Segundo ele, o estado precisa propagar a “criação do bem estar social”, ao invés de romantizar a chamada “criação de riquezas”.

De acordo com o estudioso, são várias as evidências que apontam para as relações sociais e saúde mental como as características mais importantes para se alcançar a felicidade plena, enquanto que o Estado ainda insiste em discutir assuntos como desemprego e pobreza, sem analisar de fato o que gera esse cenário.

Para conhecer outros detalhes sobre o assunto, acesse o portal da Revista Veja: http://abr.ai/2hwBdlB

CÂNCER DE MAMA: A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE

INTRODUÇÃO

Embora a mídia divulgue a todo momento a importância de se fazer o exame de mama precocemente, através de campanhas como o outubro rosa, muitas mulheres continuam a agir de forma negligente deixando de procurar o auxílio médico
Tal escolha equivocada não poderia ser pior, resultando no avanço gradativo da doença e na redução de alternativas cirúrgicas a depender do caso do(a) paciente. Apesar da decisão caber apenas ao efêmero, os amigos, os familiares ou colegas que sejam mais próximos tem o dever ético de alertar a referida pessoa a respeito da sua atitude inconsequente, bem como informar as possíveis complicações se ele(a) demorar demais a procurar ajuda médica.
Compreendendo que o diagnostico precoce aumenta a probabilidade de ter um tratamento menos intenso e agressivo, nesse sentido, o presente artigo terá por objetivo conscientizar todas as mulheres da importância de realizar não somente autoexame da mama, mas também de regularmente fazer os exames comprobatórios, principalmente se na família já houver casos dessa doença.

EXAME DE MAMA: UMA LUTA PELA CONSCIENTIZAÇÃO

Não é uma tarefa fácil conscientizar todas as mulheres a realizar o exame de mama periodicamente, pois muitas ignoram os sintomas acreditando que não seja nada de mais, ou simplesmente quando notam algo de errado se automedicam sem o devido acompanhamento médico.
Uma realidade que em pleno século XXI continuam ainda vigente. No entanto, há exceções como no caso de Elaine Bast. Uma jornalista que depois de fazer uma reportagem referente ao câncer, descobriu tumores malignos na mama esquerda. Essa mulher relatou que o diagnóstico precoce aumentou suas chances de cura, e seu tratamento foi menos intenso e agressivo.
Em 2015, no mês de novembro, a paciente retirou toda a mama afetada pela doença, mas também optou por retirar a direita como uma forma de prevenção. Em março, numa quarta-feira, dia 30, durante a sua participação no Fórum O futuro do Combate ao Câncer, esse promovido pela Folha de São Paulo, ela discorreu da importância de se descobrir a doença ainda no começo, visto que em seu caso foi necessário somente a cirurgia. Afirmou ainda que não precisou de radioterapia, nem de quimioterapia porque teve a oportunidade de ser diagnosticada a tempo.
Um diagnóstico que a Sociedade Brasileira de Mastologia recomenda que todas as mulheres façam a partir dos 40 anos, cabendo ressaltar, que no caso da jornalista, não havia um histórico familiar da doença, ela tinha dois filhos e os amamentou e nunca tomou hormônio, isto é, não tinha indicio algum que pudesse sugerir um fator de risco. Se o médico não tivesse solicitado um check-up completo da sua paciente, talvez ela nunca tivesse descoberto a doença, ou quando descobrisse já seria tarde demais.
Ainda a jornalista relembrou como foi a sensação de descobrir que tinha câncer: estava em casa, pesquisando na internet o significado daquele resultado. Ao cair a ficha que era portadora da doença, ficou bastante apavorada, pensando que iria morrer e deixar seus dois filhos sem mãe. Todavia, quando o médico explicou o que era a doença e todos os procedimentos que ocorreria no tratamento, acabou trazendo para a paciente mais segurança, essa que foi imprescindível no combate ao câncer.
Considerando que obter mais informações sobre a doença contribui no seu tratamento, bem como ter um acompanhamento médico especializado, nessa acepção, a conscientização dos sintomas e saber procurar a ajuda de um profissional capacitado são algumas das atitudes possíveis que contribuem na luta contra o câncer de mama.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Acreditando na importância de fazer o diagnóstico precoce do câncer de mama, campanhas tais como o outubro rosa, tem por intuito a ajudar milhares de mulheres, explicando do que se trata a doença, quais seus sintomas e principalmente visa alertar as pacientes de quanto é fundamental sempre procurar ajuda médica.
Infelizmente, a maioria das mulheres não mede o tamanho das consequências, por conta disso, acabam se automedicando e não percebem que agir dessa forma ao invés de ajudar combater o sintoma, surtirá em efeito contrario, ocasionando o agravamento da doença, pois o tempo precioso que poderiam ter tido com mais opções de tratamento, foi perdido pela demora de se procurar em tempo hábil auxilio médico.
Embora a decisão caiba somente a paciente, numa tentativa de demonstrar o equivoco que a referida pessoa está cometendo se recusando ir ao consultório, os colegas e os familiares tentam fazer a sua parte, conscientizando a cidadã. No entanto, mesmo sabendo de todos os prós e contras, muitas mulheres preferem persistir no erro e quando finalmente resolvem pedir ajuda a doença já estar em um estágio mais avançando, restringindo assim o leque de opções se tivesse procurado por auxilio no inicio da doença.
Portanto, criar consciência que o diagnóstico precoce possibilita maiores chances de cura e de tratamentos menos agressivos para a paciente é uma atitude que deveria ser tomada por todas as mulheres, bem como a iniciativa de realizar periodicamente o autoexame de mama, e a partir dos 40 anos fazer a mamografia.

 

Clique aqui e saiba como fazer o autoexame

Saiba mais: http://bit.ly/2hsZ5qf

Hospital Copa Star, em Copacabana, é referência em hospitalidade

A Rede D’Or São Luiz traz um novo conceito em hospitalidade para os cariocas. O Hospital Copa Star está situado na esquina da rua Figueiredo Magalhães com a Joseph Block. Conforto e acolhimento são as palavras do local: o hospital pode facilmente ser comparado à um hotel 5 estrelas de Copacabana. Além dos 150 leitos, o prédio conta com um parque diagnóstico e 9 salas de cirurgia. Fora este espaço, a Rede D’Or São Luiz tratou de providenciar o terceiro andar do Shopping dos Anticários, na rua Siqueira Campos, para que haja espaço para o funcionamento da área de apoio.
O Hospital Copa Star conta com os mais modernos e melhores equipamentos da área médica: medicina robótica, telemedicina, salas para neurocirurgia com equipamento de ressonância magnética integrado, salas híbridas e salas de cirurgia inteligente. Além da tecnologia de ponta, o hospital conta com uma equipe de de profissionais capacitados para que o paciente receba, de fato, o melhor tratamento. Segundo Marcelo Pina, diretor executivo do Hospital Copa Star, o ambiente foi planejado para “operar não só com a mais moderna tecnologia disponível, mas com a integração dela com processos e fluxos modernos, redesenhados com foco total no paciente, seus familiares, médicos e assistentes, sempre baseando-se nos padrões internacionais, além de uma equipe multidisciplinar que contará com profissionais experientes, com muitas horas de treinamento e aperfeiçoamento”.

O novo empreendimento possui uma completa estrutura de hotel, fazendo valer o investimento de mais de 400 milhões de reais. Desse valor, 30% foi aplicado em equipamentos médicos.

Nesse orçamento está incluso o sistema Smart Hospitality, mecanismo que possibilita que o paciente e seu acompanhante obtenham informações a respeito do tratamento através de um tablet. Além desse recurso, a central portátil de comando serve também para controlar a luz e a temperatura do quarto, além de contatar instantaneamente médicos e enfermeiros.

Para acompanhar seu foco em medicina interna, pós-operatorios e doenças cardiovasculares, o hospital possui quartos e acomodações privativas, oferecendo aos acompanhantes a opção de total acompanhamento do processo do paciente. Dentre os itens de destaque do local estão também a UTI móvel, restaurante exclusivo e uma área anexa, especial para circulação de médicos, enfermeiros e macas. Além disso, o ambiente ganha um toque de requinte, com a implantação de detalhes que fazem a diferença, como a decoração com quadros do artista japônes Yutaka Toyota, e a posse de uma fragrância desenvolvida exclusivamente para o hospital, garantindo ao local um aroma próprio e único.
O projeto, claramente destinado à classe A, serve, segundo o fundador da Rede D’Or São Luiz,como opção carioca frente aos hospitais de luxo de São Paulo, para onde se locomoviam os pacientes que tinham como objetivo o tipo de atendimento agora fornecido pelo Hospital Copa Star. Inaugurado em outubro deste ano (2016), o hospital tem sido elogiado pelo acolhimento aos pacientes.

 

 

Comida de verdade: a busca por uma alimentação saudável

É notável o aumento de interesse por uma alimentação saudável. Com isso, a oferta de produtos naturais, vegetarianos e veganos nos supermercados e restaurantes crescem exponencialmente. O que antes era uma opção apenas para ricos, hoje se torna cada vez mais acessível, pois quanto maior a procura, maior a oferta.
Mas são tantos novos termos, estilos de vida e de alimentação que vale a pena entendermos melhor o que cada um significa.
Há pouco tempo, quando alguém fazia dieta, recorria aos alimentos diet e light. Com o

passar dos anos, percebeu-se que, o melhor para a adoção de uma vida saudável, e consequente emagrecimento, é a adoção de uma alimentação natural, ou seja, que vem da natureza, sem rótulos, não industrializado, a comida de verdade. Tudo aquilo que passa pela indústria, como pão, barra de cereal, iogurte, margarina, são produtos alimentícios, o oposto dessa dieta. Na comida de verdade estão os grãos, carnes, frutas, verduras, legumes e todos os alimentos sem adição de produtos químicos.
Já no vegetarianismo o foco está na exclusão do alimento de origem animal. É um estilo de vida adotado, principalmente, por respeito à vida animal. Nesta alimentação pode-se incluir laticínios e não exclui, necessariamente, os produtos alimentícios, o que significa que é mais voltado para uma filosofia de vida.
Seguindo a filosofia do respeito a vida animal, surge o Veganismo. Esta prática defende não só a completa exclusão de qualquer alimento de origem animal (inclusive laticínios), como o fim do uso animal para qualquer atividade de confinamento e exploração. Os veganos não usam produtos cosméticos testados em animais ou vestuários e adornos de origem animal. Portanto, não se trata de uma dieta, mas sim de um conjunto de práticas que visam defender o direito dos animais.
A adoção desses estilos de alimentação e vida não tem a ver com emagrecimento, mas com a desintoxicação do corpo e de tudo aquilo que não traz benefícios a saúde. A retirada de açúcares e gorduras artificiais acaba por acarretar na perda de peso de maneira equilibrada e saudável.
Nessa corrente também se popularizaram as dietas sem glúten e sem lactose. Muito debatida entre médicos, nutricionistas e nutrólogos, a orientação mais popular é de que a completa exclusão desses nutrientes seja feita apenas por quem tem intolerância, pois ambos proporcionam, quando consumidos moderadamente, benefícios para a saúde e podem até ajudar no emagrecimento.

Saiba mais: http://bit.ly/1N5DT6L